segunda-feira, 28 de abril de 2008

Vamusimbora PRUMBÁ

Pouca coisa boa se pode tirar de uma reunião regada a cerveja e derivados de álcool. Certo?
Claro que não! Pra armar aquele boteco, não necessariamente tem que ser num bar da modinha, lotado, pagar 15 contos pra pararem seu carro na rua e quase fazer xixi nas calças por causa da fila. Um botequinho pode ser tocado em qualquer lugar, na porta de casa, na pracinha Benedito, pode ser na areia, pode ser num Bistrô, pode ser tomando um açaí. Isso me leva a pensar que não precisa ter bebida alcoólica envolvida... Ok, é mentira, precisa.

Junte alguns seres que ajudem na idéia como um todo. Se não forem amigos, pode ser alguém desconhecido que tenha algo de diferente e/ou engraçado pra contar, de preferência alguma historinha bizarra, sobre a vida, sobre o trabalho, sobre aquela pessoa que merece um comentário digamos sarcástico. As dúvidas mais existencialistas também podem ser discutidas, mas cuidado: existem pessoas que bodeiam ou travam no decorrer do boteco, escolha pessoas confiáveis.

Coisa boa é quando tem segredinhos explicitados. Algumas exigências: precisa rir do ex. Precisa rir da ex dele. Precisa rir de histórias passadas com a turma da adolescência. Precisa rir de si mesmo. Não pode falar de nada que passe na TV aberta. Precisa falar mal do Lula. E é bom que tenha comida bem trash envolvida. Praticamente ninguém se preocupa com o próprio peso no decorrer do processo. Eu disse praticamente porque sempre tem alguém que pede caipirinha com adoçante. Exclua a pessoa da próxima armação, modelos não tocam o boteco.

Os clássicos não podem faltar, então se acha que vai esquecer dos melhores contos envolvendo pessoas presentes, aqueles que precisam de verdade serem jogados na roda, anote. E leve sempre num caderninho com você. Nunca se sabe quando alguém vai te puxar pra uma dessas.
Lembre-se, música é opcional, mas Créu e afins estão para sempre barrados, Legião Urbana é depressivo para uma dessas, qualquer coisa acústica que tenha Groove é aceita e Jorge Vercillo não é MPB.

Mesmo com a barriga de cerveja beirando os quatro meses de gravidez, que lentamente se transforma mas nunca volta ao normal ao ser esvaziada vinte e cinco vezes no banheiro, não há quem não se sinta mais leve depois de uma dessas. Mesmo que todos os problemas do mundo continuem existindo. Terapia sai muito mais caro.

7 Comments:

Thaís SBA said...

Terapia sai muito mais caro, concordo...
Ahhhhh!!!!!

Precisamos juntar eu, vc e a Thaty pra uma terapia alcoólica dessas! Huhasuhshusa, minha vontade de dançar em cima de um balcão com uma peruca ruiva ainda não passou!!!!

Ahhh, falando nisso...vai ter parada gay esse ano????


Bjos nas biroscas!!!!

Tha Basile said...

JA TA FECHADO! de boá rosa, hein??
uhuhuhuhuhu

Raphael Pacheco ... said...

É bom demais isso, lembrar de histórias hilárias de tempos remotos e rir muito ao lado de pessoas agradáveis!!!

Mas Jorge Vercilo é MPB sim! hehehe
Eu gosto muito do cara, ou melhor, das músicas neh? Pq se não pega mal...kkkk

Abraço

Ane Talita said...

Ahhh...eu adoroo tocar um boteco! Gente, é uma das melhores coisas da vida...risadas etílicas com amigos num bar bem trash! Me chame da próxima vez! hahahaa

beijo!

Grazi Sperotto said...

Ah,muito boaaaa!
eu adoro me reunir com meus amigos nos barzinhos da vida, por aí...qq lugar é lugar, e tem que ter aquelas coisas que engordam, que depois pesa na consciência mesmo, se não não tem graça...Post muito bom, engraçado pra caramba!
bjão

Ju Queiroz said...

Ótima idéia! Amanhã vou prumbá! Estou precisando desta terapia...

Thaty said...

descuuuuuuulpe a demora, amore!!!
ain, essa correria de faculdade/semana de provas/estágio mata!!!

bom, mas sabe que não deixo de ler e reler e reler!

:D

"existem pessoas que bodeiam ou travam no decorrer do boteco, escolha pessoas confiáveis."

reitero.

ain, to precisando de uma noite dessas... com vocês, LÓGICO!

beeijos, floor!