segunda-feira, 14 de abril de 2008

Literalmente de Foder

Infelizmente, quando se está há quase seis meses desempregada, você começa a apelar para anúncios que não estão assim tão dentro do seu perfil. Pelo menos é o que você pensa. E começa a ler as vagas dos jornais. Erro.

Foi assim, lá em meados de 2004, que eu descobri que eu tinha sim o perfil. O anúncio dizia: jovem do sexo feminino, boa comunicação, inglês fluente, marketing, período integral, cinco vagas. Mesmo sem ter feito comunicação e querendo mesmo é ser contratada para uma vaga de pesquisa mercadológica, fui lá ver o que dava.

Local chique, agradável, algumas salas fechadas, muitas plantas, em pleno Business Center da cidade, meninas lindas andando pelo local, eu seria a segunda entrevistada. Estranhei que a candidata na minha frente entrou na salinha fatídica e saiu rapidinho, como se a tivessem dispensado. Lembro de ter pensado: será que ela não é de marketing? Já me dispensaram por não fazer um risco tão reto na folha em branco, é o mundinho capitalista, ué. Nem quiseram falar com ela.

Ouvi meu nome, entrei e dei um sorriso estendendo a mão. Um menino de 20 e poucos anos se apresenta como um dos sócios de um site que está migrando suas atividades para o Brasil, dizendo-se especialista em venda on-line. Começou com o maior clichezão das entrevistas: me fale sobre você. Depois de vinte minutos discorrendo sobre a minha capacidade de comunicação e bom relacionamento interpessoal, ele começa a falar sobre a vaga. As meninas que seriam contratadas ficariam a postos para manter os clientes no site por quanto tempo conseguissem, sempre teclando em inglês, a remuneração seria variável e teria bônus.

Assim que eu pedi o link para dar uma olhada no site, ele desconversou, disse que somente depois de contratada e que gostaria que eu voltasse para uma segunda entrevista com o sócio dele. No dia seguinte, lá estava eu para discorrer mais 40 minutos sobre cada empresa que trabalhei, prós e contras, idas e vindas. Era dia de rodízio do meu carro e na ânsia de conseguir o emprego, nem me importei com a possibilidade de atrasar em voltar pra casa. Só que para minha completa surpresa, ao final da longa entrevista eu tomo essa: “Nosso site ERÓTICO precisa de pessoas como você para aparecer na webcam e teclar com os clientes, acho que você TEM O PERFIL.”

Existe a definição de ódio mortal na Wikipédia ou no dicionário, mas esqueça. Ódio foi o que eu senti naquela hora. Antes de começar a sentir o ímpeto de quebrar a sala toda e fazer o computador sumir por entre o intestino grosso e o delgado do sujeito, eu comecei a gritar que aquela enganação barata era um absurdo. Que eu tinha gasto gasolina, tempo e energia. Saí meio chorando de raiva pelo elevador do prédio em direção ao centro de negócios da cidade, de onde eu sairia sem emprego, com uma multa pelo rodízio e com uma vontade maluca de passar na Augusta e sugerir algumas candidatas não-operadas pra vaga.


--------------------------------------------------------------------------------------------
PS* Antes de comentar algo engraçadinho, pense que a sua irmã, mãe, tia, namorada não têm os seus respectivos empregos garantidos para todo o sempre. Got it?

10 Comments:

Anônimo said...

UHUHUHUAHAUAHUAHAUHAUAHAUU
(LI)

Victor said...

pensa pelo lado bom,vc tem o "perfil"...

Será que isso é bom?

Enfim, mais uma história pra vc contar pro netinhos!

AUHAUHAUHUAHUAHUAHUAHUAHUAHHAUHA

Besos.

Thaís SBA said...

Hahhahahaahahahaha não pude deixar de rir.
Affe Thata, site erótico é foda hein (literalmente).

Hhusahusahuash!!!!!
Meu, esses lances de entrevista é foda, já passei por cada uma também! Claro, não tenho nenhuma histórica como essa, mas é sempre engraçado falar sobre esse tipo de coisa. Já presenciei candidatos latindo em processos seletivos hahahaha!!!!! Tenho vontade Às vezes de participar de certas entrevistas mesmo estando empregada só pra poder escraxar!

Bjos nos cílios!

Camila said...

Sacanagem...

Anônimo said...

quem te ve sabe que vc é linda e esse seu jeitao sempre sorrindo pode ter causado a má impressão, mas que sacanas, ne? tadinha!

beijo daqui do lado,
:)
Aninha

Thaty said...

HAHAHAHAHAHAAHA

parece até filme, ne?
ótimo texto! muuuuuuuito legal!

e o título então: DEMAAAAAIS!

:* beijos, flor!

Débora said...

Hehehe!
Realmente. Não é fácil achar um mulherão que tenha o perfil em qualquer esquina por aí...Xp

Bom. Tenho certeza que depois que passou a raiva e o susto você riu.

Minha irmã do meio, secretária executiva, não teve a mesma sorte.Perdeu o emprego em uma empresa chinesa porque a mulher do cara quando chegou da China e a viu, a achou "bonita demais".

Tádinha.

Morria de rir com as estórias que ela contava. De que o chefe cuspia o rabinho do camarão em plena mesa do restaurante, cheio de executivos, e que eles usavam muito a palavra "nêga".
Usavam até pra pensar.

Não rio mais.X(((

Hahahaha!!!
Beijos e apareça sempre.
Adorei este blog.

Ana Luiza. said...

Gente, tô besta!
nem sinto vontade de rir.
mas o texto tá ótimo!

Raphael Pacheco ... said...

huahuahauhauha

Quando o cara desconversou sobre o que se travata o site, eu já desconfiei que coisa boa (pelo menos para você, para o seu perfil, porque para algumas...hehehe) não seria...

Thaís SBA, valeu pela visita no blog, e muito obrigado pelo conselho...A fossa tá braba...hehe

Foi uma honra receber alguém que publica no Blônicas, juntamente com aquelas feras, no meu humilde blog...hehehe

Linkarei o blog de vocês...Gostei muito e ri demais...^^

Bju

david santos said...

Recordando que hoje 18 de Abril tem a Blogagem Coletiva “O que voce faz para acabar com o analfabetismo no Brasil?”

Eu também estou nesta.
Abraços