sexta-feira, 4 de abril de 2008

Seja bom com você

Meu tráfego é livre pelos elevadores, porque não uso roupinha azul e vassoura na mão. Caso contrário eu seria banida por dividir o mesmo espaço com um dos gravatas do prédio. Caso contrário eu seria ignorada pelas moças do sexto e sétimo andar.
"Não chora, Jojô. Gente que faz isso com você é gente infeliz. Gente que está feliz com si próprio, não trata mal os outros por causa de condição social."
Gente que está feliz com si próprio não magoa, não é grosso, não é estúpido, não te olha de baixo pra cima.
Gente que está feliz com si próprio não precisa provar nada pra ninguém.
Gente que está feliz com si próprio não usa máscaras e paga o preço caro, caríssimo da transparência.
Gente que está feliz com si próprio não se engana e não engana os outros.
Gente que está feliz com si próprio não reclama o tempo todo e não é capaz de sorrir com as coisas mais simples.
Gente que não está feliz com si próprio vive querendo se impor, mostrar medo e respeito. Mas não se engane, essa pessoa realmente não está feliz. E geralmente tudo isso gira em torno de três únicos fatores: baixa auto-estima, complexos e traumas.
Uma pessoa amarga, falsa, mentirosa, ruim, aproveitadora, pode ter certeza que tem lá em seu âmago alguma coisa que a incomoda, que a faz sentir mal e infeliz.
É por isso, Jojô, que o mundo está assim, minha querida. Quantas pessoas você conhece que estão felizes com si mesmas, com a própria vida?

Um pouco de complexos aqui, um pouco de baixa auto-estima ali, e pronto! Está pronto um mundo cercado por todos os elementos que envolvem a teoria da conspiração. E aí, da baixa auto-estima nasce o medo, que origina a falta de confiança, que origina a necessidade de se auto-afirmar, que origina a arrogância, que origina a ignorância, que origina muitas vezes no sadismo e que origina essa bosta de mundo em que vivemos.
Em um dos livros do Dennis Lehane diz algo mais ou menos assim, que cada caso de violência e terrorismo é um caso completamente diferente do outro, mas a impressão que dá é que existe um fio que liga todas essas coisas, que se desenrolado, começa a fazer com que tudo faça o maior sentido do mundo.
Não seria isso mesmo?
O mundo todo é vitrine, como diria o DDC. E quem não é paga um preço caro.
Eu sei DDC, e você também sabe, não é mesmo? Embora saibamos que ninguém é 100% vitrine, e ninguém é 100% transparente. Mas você escolhe pra que lado quer pender.

Eu sei que é caro e pagar caro às vezes cansa porque dói no bolso, mas ainda assim me rende uma boa noite de sono e não me gera sérios problemas com minha consciência.
Que mundo, né?
Como dizia Renatão, os bons morrem jovens. E você já parou pra pensar que isso é a mais pura verdade? Os bons estão morrendo por aí, todos os dias, assassinados, em acidentes, em afogamentos, vítimas de bala perdida, não importa. Estão deixando esse mundo. E quem é ruim continua populando e espalhando o câncer por todos os lados.
Neste fim de semana estava eu passeando pelo orkut porque não tinha nada o que fazer, então me deparei com comunidades do tipo:
-Amamos Suzane Von Richtofen.
-João Hélio arrastou POUCO.
E tinha também outra comunidade relacionada em uma destas sobre o pessoal que era a favor de poluir o Brasil.
Quanto ao João Hélio, todo mundo deve saber que é aquele garotinho que morreu arrastado por alguns quilômetros no Rio de Janeiro.
Quanto à Suzane, menininhas alegavam que ela só teve coragem de fazer o que muitos não tiveram. Outros a admiram porque ela foi corajosa em assumir o crime, outro maluco tem já sua opinião diferenciada: Considera a garota uma artista! Porque assassinato planejado nada mais é do que uma arte! E ele a parabeniza por isso!
Podem parecer simples comunidades do orkut, mas as pessoas que estão por trás delas são reais. E assim como muitas outras que nem devem acesar a internet fazem apologia à esse tipo de coisa.

Eu não tenho muito o que falar sobre isso, poderia passar horas e horas expressando minha revolta, mas é o tipo de coisa que as palavras não conseguem expressar. Não tenho exatamente a dizer sobre isso, não posso fazer nada a não ser lamentar em ter que dividir o meu espaço terrestre com seres desse gênero e ser considerada da mesma espécie que indivíduos tão repugnantes como estes.

Seriam mesmo seres humanos? Seriam humanos estes seres? O que diferencia um ser humano de outros seres? Acho que precisamos rever estes conceitos.
Seres como este que possuem grande capacidade de diferenciar-se dos animais, mas não o fazem. O que exatamente diferencia essas pessoas dos animais?
Hoje já tenho lá as minhas dúvidas. Mesmo porque animais só atacam para se defender ou por fome e fazem sujeira porque não podem limpar. E existem pequenas atitudes que nos diferenciam dos animais, como por exemplo, jogar lixo no lixo. Eu ia falar sobre solidariedade aqui, mas a gente consegue ser pior, porque animais são solidários uns com os outros. Recentemente foi feita uma pesquisa, depois vou até ver se coloco o link aqui, sobre formigas que usam seu próprio corpo para tapar possíveis "buraquinhos" no meio da trilha para que as outras possam seguir o caminho sem se desviarem e assim cumprir a chegada ao seu destino sem maiores problemas.
Quantas das pessoas que você conhece fariam isso? Usariam a si mesmas para te protegerem, te ajudarem? O normal de um animal é preservar a espécie! E nem isso nós fazemos. Se somos animais racionais isso tem alguma lógica, embora eu sempre achei que essa expressão "animal racional" fosse bizarra, afinal, não somos animais, somos seres humanos. "Humanos", mas hoje tenho lá minhas dúvidas se somos lá tão evoluídos quanto sugere este termo.

Eu sempre tive medo de morrer. Mesmo. Aquele medo desesperador. Sempre fui um pouco paranóica com isso, mas estes dias me peguei pensando que talvez morrer não seja a pior das coisas. Talvez os bons morram jovens porque não cabem nesse mundo, porque não merecem estar aqui. Talvez ficar aqui é que seja o verdadeira castigo.
Não chorem por aqueles que se foram, chorem pelos que ficam. Os que foram provavelmente terão mais paz do que aqueles que ficam por aqui.
Por mais que eu acho tudo muito justo neste mundo, existem coisas que a gente não vai entender nunca, mas o fato de eu não entender não significa que eu tenha que me revoltar e virar uma atéia frustrada.
Mas realmente existem coisas que me intrigam.

Existem atitudes que não cabem no meu mundo, como por exemplo esse fato da Jô não poder entrar no elevador com um engravatado porque ela é da faxina. Estes dias me peguei pensando: Gente! Mas esse tipo de coisa ainda existe?
Não na minha realidade, mas na realidade do mundo existe, como fui inocente. Existe um mundo estragado por aí, e se as pessoas fazem o que fazem, tratar mal uma faxineira não passa apenas de um aperitivo.

E estão por aí as faxineiras chorando, as mães honestas viúvas, os órfãos de gente justa, os amigos que perderam seus amigos pra burrice do álcool em acidentes ou para balas perdidas do tráfico.

Está por aí um mundo cuja trilha sonora é o grito dos desesperados e cujo pano de fundo é o sangue e a miséria. Está por aí um mundo onde a inspiração são as lágrimas nossas e dos outros e não mais as gotinhas de orvalho pela manhã.
Um mundo que tem como rima o fogo dos acidentes e não mais o fogo do sol. Um mundo que coloca flores nos versos não por serem belas e enfeitarem os campos, mas por enfeitarem os caixões das vítimas. Um mundo que escreve não mais sobre o futuro porque já não tem mais tanta certeza que ele vai chegar.

Um mundo que se atrai pela tragédia e pela miséria como mariposas se atraem pela luz.

Pagamos a liberdade dos banidos, pagamos a sobremesa dos injustos, pagamos a arma que matou o nosso filho, pagamos a alimentação da Suzane von Richtofen, o edredon dos políticos que os aquecem em noites de frio e suas regalias.
E estamos de mãos atadas.
Passeatas, um minuto de silêncio, faixas pela Avenida Paulista, faixas em frente à Casa Branca, camisetas desenhadinhas, tudo isso faz cócegas na barriga de todos aqueles que decidem como exatamente este mundo deve ser, porque você, reles humano, não decide nada sobre o mundo, só decide sobre você (quando decide.)
Contribua você também com pequenos gestos dizendo que caga pro aquecimento global, vamos! Colabore com sua fumaça! A fumacinha que você solta depois de um trago que te faz sentir superior pode ser a responsável pelo último suspiro do seu filho amanhã, do seu neto amanhã. Quiçá do seu.

Polua! Polua mesmo a cidade e depois coloque a culpa no governo porque existe destruição na cidade por causa de enchentes! Alguns alegam que poluem a cidade para dar emprego aos garis!
Legal! vamos então assassinar bastante gente para gerar mais emprego no IML e nos cemitérios!
Assassine, mate, drogue-se, drogue seus filhos, seus amigos! Contribua com a devastação. Vamos! Faça sua parte e depois coloque a culpa no Lula, no Bush, na puta que te pariu.

Você pode achar que eu estou misturando os assuntos, claro que não vou generalizar, mas tudo está absolutamente muito bem relacionado. A mesma cabecinha que diz que "meus netos que se virem com o aquecimento global" é a mesma cabecinha que defende a Bispa Sônia porque ela "roubou o meu dinheiro e não o seu, então cala essa boca."
Ou então aquele tipo de gente que diz: "Eu sei que fumar é errado, mas eu já fiz tanta coisa boa que Deus vai me perdoar!". Já escutei isso sim. Deus não tem nada a ver com isso, afinal, quem não vai te perdoar é o seu pulmão.
Reclame mesmo da corrupção e da palhaçada com o seu dinheiro! Você não tem direito nenhum de defesa! Sabe por que? Porque você também ou é corrupto, ou é mentiroso ou contribui de alguma outra forma com sua parcela de merda para que o mundo se afunde (ou tudo isso junto.)! E os outros que não o são mas ainda assim sofrem com as injustiças, são os bons que morrem jovens, mesmo com seus 80 anos nas costas.
Você não tem direito de defesa. Como reclamar que o mundo está estragado se de uma forma ou de outra você também está contribuindo com isso, mesmo que seja com atitudes que podem parecer minúsculas? "Pequenos acontecimentos interferem em grandes eventos." Ou se preferir, como diz a Teoria do Caos: "O simples bater de asas de uma borboleta pode desencadear um tufão em outra parte do mundo".

Seja bom pelo menos com você, porque provavelmente o mundo não será.

6 Comments:

Tha Basile said...

DE NOVO, eu não mudaria uma palavra do que vc escreveu. Caralho, né?

Aqui na Nielsen algumas distintas meninas não falam oi pras tias que limpam o banheiro. Pra limpar o coc}o delas, elas servem. Dá vontade de enfiar a cara na terra, mesmo.

Muitas vezes me pego pensando que tudo está tão errado que o vazio que as pessoas sentem vai causar o fim disso tudo...

Bom final de semana, linda....

Thais said...

eu desisti das pessoas a muito tempo, quando penso que não pode existir gente assim eu olho pro lado e vejo vários exemplos, onde estão os exemplos de gente boa? parece que estão cada vez mais raros...

Manuela said...

Intenso.
Muito intenso tudo isso.
Volto mais vezes!

Thaty said...

PURA REALIDADE!

Discriminação do ca&@%@#¨!
Odeio!

"Um mundo que se atrai pela tragédia e pela miséria como mariposas se atraem pela luz."

Outra coisa que me indigna, pare para ver um espetáculo de rua, para ver uma caridade e não para ver um corpo caído apos uma bala perdida, PORRA!

Vamos mudar? Ou ser mudados?

Prefiro a primeira.

Ane Talita said...

Nossa!!!
Muito bom!
Concordo com tudo! Esse texto é o soco no estômago que muita gente está precisando levar...

beijo, bonita!

M. said...

Ai, ai...vida bandida. O seu texto tb é muito bom, para dias nublados ou não. A vida sempre foi muito injusta, mas estamos beirando a insanidade. Não sei onde vamos parar, não sei porque esses fdp, que podem fazer alguma coisa, não fazem nada. Infelizmente só podemos fazer é a nossa pequena parcela da nossa parte. As vezes não se convecem, elas aprendem suas lições.
Esse papo vai longe, continuaremos trocando palavras.
bjs