quinta-feira, 11 de junho de 2009

Ao meu amor, tudo

Sem data marcada, sem roupa, sem maquiagem. Tudo que me cerca hoje é realidade, nela toda a ilusão presente tenta se esconder e eu me confundo. O de dentro fica exposto, sai pra fora, fica pendente de entendimento, mas sente, sente tudo com arrepios e com uma percepção aguçada de uma mente sem limites, dentro de sua humilde e ao mesmo tempo imensa emoção.

Não tenho corpo fechado pra isso que se chama amar. Até queria ser um pouco menos isso, mas seria um clone de mim mesma super preparada para a vida. Eu não quero me preparar para a vida. Ela que me pegue e me ensine.

E eu te tenho nesse turbilhão, sem saber o que me espera dentro dele. Eu me adapto, eu me rebelo, estou entre o uniforme e a nudez. Tenho ganas de gritar e ao mesmo tempo de deitar na grama e sonhar o sonho mais cheiroso e cor-de-rosa que existir.

Visto uma máscara. Adoro quando percebo que ela cai, sozinha, não se sustenta. Ela é um número menor do que a minha alma. Não quero trocar. E aí eu erro, percebo, faço charme, reviro tudo, manipulo, peço desculpas, caio em mim, mais charme, umas risadas e umas ironias, e me levanto sempre.

Um companheiro, uns amigos, uns livros, uns discos, uns valores, os de sangue, os de alma, isso tudo sou eu, hoje e sempre.

6 Comments:

Ju said...

Thá!
Esse post é você, mas também me identifiquei. Muito bom!

Thaís SBA said...

Caraca!
Acho que foi seu texto mais intenso. Lindo do começo ao fim. Milhões de frases incríveis, mas acho que essa aqui ganha de todas
"Não tenho corpo fechado pra isso que se chama amar".

Bjos linda!

Aninha said...

lindo, lindo, lindo, sua cara. saudade, hoje e sempre!

beijo no coração,
Aninha

Thaty said...

que texto mais lindo e forte!
frases de efeitos soltas e intensas! adoro!

Mulher do Padeiro said...

A melhor parte é se lembrar de se levantar sempre. Adorei, amiga!

ADONAMANDA said...

Lindo!