quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Meu

Não há passo que eu dê onde milhões de palavras me acendem na cabeça como luminosos de bingo.
Milhões de palavras narrando tudo ou rimando tudo, coisas às vezes das quais nem sei, nem suspeito.
Falam-me de coisas repugnantes ou tão doces como as mãos de uma criança estrelaçando seus pequenos dedinhos nos dedos adultos da mãe.
Às vezes parece loucura viver a vida em seus mínimos detalhes. E viver é leve, mas os detalhes por vezes pesam, cansam, e a gente os carrega nas costas não como uma cruz, mas como asas de metal, que servem pra voar mas pesam até marcar as costas.
Algumas pessoas deixam os detalhes extravasarem por seus olhos e choram, outras são traduzidas através de notas musicais. Existem milhões de exemplos, e eu por minha vez, escrevo.
Tenho nas escritas o peso da minha existência e a leveza da tênue linha que tece o meio termo entre a morte e a vida.
Meu ar às vezes cai como pétalas pelos pulmões, e em outras vezes parece que respiro pedacinhos de chumbo que se acumulam numa porrada doentia no estômago.
Ainda assim
Ainda assim por um único motivo o mundo escuro tem um véu de luz.
Porque trouxeram-me borboletas no estômago, quando a única coisa que haviam eram tripas e uma palavra ou outra.
Trouxeram-me flores ao coração quando as únicas coisas que haviam eram sangue, artérias e alguns poemas que eu sentia com o cérebro.
Ensinaram-me que amor vem do peito e não da cabeça.
Ensinaram-me a rimar por amor e não por passatempo.
Ensinaram-me a cantar as palavras e não apenas a jogar com elas.
Ensinaram-me que diferente pode ser diferente mesmo sendo a palavra escrita da mesma forma durante anos.
"Quando você aprender que a única pessoa cuja ausência é fatal, é você, aí sim lhe darei uma companhia eterna que te ame verdadeiramente como jamais o seu coração pôde sentir e sua mente pôde entender."
Vãs palavras me acertam os ouvidos
Me contam histórias, mentiras, grunidos
Pedaços de uma escrita já feita, hoje refeita
Dorme um mundo inteiro lá fora, e eu acordada, eu sempre acordada.
Nem sei bem do que falo, mas sinto tudo o que deixo de saber. Sinto o que está nas entrelinhas. Sinto certezas como sinto tristezas, e alegrias.
Por que não pintar as flores de bege e fazer o Sol boiar na piscina?
Algumas frases são lindas mesmo sem significado algum.
Alguns escritores já escreveram coisas que nunca entendi mas que me fizeram sentir uma compreensão enorme alheia ao meu raciocínio lógico. E tudo fica lindo quando é bem colocado, por mais que não existam palavras adequadas.
Menino!
Ah, menino, ensinou-me muito sobre amor quando o amor me era engraçado.
Ensinou-me a sorrir e não era por graça.
Ensinou-me muito sobre ternura quando me haviam facas nas mãos.
De minhas pedras fez pétalas de rosas
Do meu dicionário fez fugir palavras.
E você perto de mim é menino
E ao seu lado sinto-me como bolinha de sabão nas mãos de uma criança que toma todo o cuidado do mundo para que não estoure.
Sonho acordada.
Sorrio e nem sei.
Meu coração acelera
Tropeço em centavos
Acordo em calendários
Um lugar imaginário.
Meu texto sem sentido
Meu coração embolado.
Palavras
Palavras
Palavras
Quem precisa entendê-las
A não ser eu?
Minhas palavras
Minha vida
Minhas fotos
Meu menino.

4 Comments:

Thaty said...

Ain, que lindo!!!!!
^^

Tha Basile said...

vc ta apaixonadaaaaaaaaaaaaa
eeeeeeeeeeeeeeeeeee

Mary Amélie Mauer said...

Estrelinha!

Muito lindo isso, foi bem do coração.
Gosto quando nos sentimos amando, pq esse estado físico e mental nos permite expressar o que está guardado e que por medo, certas vezes, nem expressamos.
Seja por palavras escritas ou ditas, o importante é que "nem sei bem do que falo, mas sinto tudo o que deixo de saber."

Te amo guria, parabéns!

denis willians said...

Falar mais o quê?
Não existe maneira inédita de dizer o quanto amo a menina mais maravilhosa que apareceu na minha vida, já não existem palavras que eu tenha dito e que ela não conheça, só sei que amo, amo as palavras, amo os sentimentos, amo os olhares, amo o amor que sinto, amo amar a mulher que me faz tão feliz!