quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Pra esperar...


Andando pelas ruas da cidade
Tremendo de tremenda ansiedade
Olhando para os lados, passos fundos
Passando pelos fundos sem vontade.

Jogando umas moedas pro mendigo
Dei conta que isso aí eu não concordo
Cresci dando comida, aí não ligo
Mas quando é pra dinheiro, então acordo.

Gosto de comida pronta
Microondas pra mim, raras as vezes
Eu crio mil idéias, fico tonta
Me perco na semana, esqueço os meses.

Tento pensar em mil coisas, abrir a geladeira
Dou uma de escritora, depois de cozinheira
Penso no coelho, olho-me no espelho
Olho o meu cabelo
O cabelo está sem brilho
Penso no meu carro
Penso no meu filho.
No carro que talvez eu tenha
No filho que talvez eu faça
Eu leio tudo acima
Sorrio e acho graça.
Dou uma de artista
Enfim peço uma pizza
Isso não tem rima
Mas traz um certo clima.

A pizza espedaçada
Gostosa e engraçada
Pedi Guaraná Dolly, Antartica incomoda
A marca é só a marca
O brega é que faz moda.

Vinte e quatro anos
Mas logo, aniversário
E como adolescente
E como estagiário
Eu olho à minha volta
E perco o meu horário
Quem mandou nascer tão solta?
Quem mandou nascer de aquário?
Quem mandou ser esquisita?
Quem mandou ser tão aflita?
Tudo isso veio à tona
Parecendo sem noção
Mas é só ansiedade
De esperar a ligação.

4 Comments:

Messias said...

Gostei do ritmo! Cuidado Thaís, ansiedade mata! E se não mata, engorda! rss

beijos

Thaís said...

Eu sempre espero a ligação no final! (hã ha~pegou? ) hahaha

adorei o ritimo também...acho que dá até musica, sem rima, mas vai ficar divina

Bjooooo

Maldito said...

Ei! Rola mais atualização aqui não é? Estamos esperando,.rsrs
Inté!

Tha Basile said...

Ansiedade, guaraná, docinhos, heheheh

beijo e bom ano pra nóis, flor!!! :)