quarta-feira, 16 de julho de 2008

O pulso ainda pulsa?

Sei que tem mil coisas mais importantes pra serem pensadas e discutidas, a cura da AIDS e do câncer por exemplo, a fome mundial, guerras...mas o fato é que ultimamente tudo me leva a pensar em como as pessoas andam vendendo a alma por nada. Pra falar a verdade, não sei se isso é menos importante do que a cura da AIDS ou a paz mundial.

As idiotices estão sendo levadas muito a sério, como se um Orkut, um BBB, uma novela fossem reais: tudo tem um propósito maior e os meios são completamente justificados por esse propósito, muitas vezes questionável e fora de qualquer padrão do bom senso.

Na empresa, o gestor fecha os olhos pra tudo que acontece debaixo do seu nariz, porque tem uma imagem a zelar. Imagina se ele começa a pensar e a agir de verdade e ... é despedido? O que a família e os amigos vão pensar? Nem é tanto pela perda do emprego em sí. Na cabeça das pessoas "maduras" dentro das corporações, imagem é tudo e valores pessoais, o que é isso mesmo?

Os adolescentes: o coitado do menino sofre uma pressão fodida pra catar a bonitinha e parecer bacana. A menina sofre uma pressão fodida pra ser a bonita que o bacana quer catar e pra conseguir catar o bacana que deve ter um certo status na turma e no trabalho. Bem na época onde as pessoas deveriam estar aprendendo sobre serem elas mesmas, elas aprendem exatamente o contrário.

As coitadas das crianças: as que têm sorte de ter uma família estruturada - não importa se de dois pais, duas mães ou um pai e uma mãe - são bombardeadas por mil atividades porque não podem começar a viver sem competir, não podem "não ser" as melhores. Não conseguem ficar em casa porque as mães precisam provar que podem ganhar dinheiro tanto quanto seus maridos e os maridos nem cogitam não trabalhar, precisam provar que são bem sucedidos.

Me corrija por favor, mas não existe mais a preocupação com o centro das coisas, com a realidade? O discípulo vivo de Freud diz que as famílias estão morrendo, ou seja, a preocupação com o outro e o sentido de coletividade está morrendo. Eu acho que a realidade também está morrendo, por mais subjetivo que este conceito possa ser: a realidade nova é composta de subterfúgios, de desvios do que é importante. A vida virou um maldito concurso de beleza onde as melhores maquiagens e plásticas são premiadas com mais dessa realidade torta. Não existem só os 15 minutos de fama, existem os 15 minutos forjados de felicidade. Venda de alma por uma ilusão.

Não venham me dizer que isso é conversa de careta ou filósofo barato. Abaixo a hipocrisia! Tudo tem que ser repensado, nessa vida. O que estou dizendo vai nessa linha: até pra fazer caridade, neguinho hoje em dia tem um relações públicas. Não me vai pra África pegar criancinha doente no colo sem que eu tire uma boa foto! É por aí que a coisa vai.

Consequentemente, o sexo se transformou no principal produto no mercado da realidade distorcida. E as mulheres são o cabide desse produto! Seja traídas por seus maridos - mas posando com cara de "estou firme" na TV - ou mostrando até o útero em programas quase-eróticos nas tardes familiares de domingo, elas, SEMPRE elas são a fotografia mais cruel de uma sociedade vazia de qualquer conteúdo que vá mais além do que a pele permita.

Estão sendo criadas condições que promovem a busca rápida desse prazer máximo e sem obrigações, o que a curto prazo só tende a produzir maior busca por essa imagem idiotizada de sí próprio e a longo prazo, frustração.

Os orkuts da vida e os mundinhos virtuais são a tradução de tudo isso: a importância da pessoa medida pela quantidade de amigos, de recadinhos, pelo sexo virtual forjado na webcam ou pelo photoshop aplicado nas fotos, pra que o "mundo" a veja como mais: mais magra, mais bonita, mais importante, mais sexy. Quando a dubiedade demonstra o nível de futilidade: a pessoa precisa se expor para que sua imagem se solidifique, mas ao mesmo tempo esconde algo lá dentro dessa exposição toda, para que a dúvida permaneça: o que é tão importante que teve que ser escondido para que ninguém veja? Uau, que vazio.

Vida real pode ser dura, pode ser problemática, não é um comercial de margarina ou o vídeo do filtro solar. Amor não se segura com imagem. Compreensão não vem da imagem. Felicidade pode até parecer uma linda imagem, mas na verdade ela vem das coisas que mais diferem do posado, do planejado, do perfeito aos olhos alheios.

Não sei como terminar esse texto, nem sei por que comecei. Acho que eu só queria que tudo fosse um pouco mais fácil, como lá no vídeo do filtro solar. Mas de verdade.

12 Comments:

Christian said...

Apoiada, deusa!

Estou contigo nessa busca incessante da felicidade atraves do nosso amor e cumplicidade...rs

AMA mais!

Victor said...

É seu aniversário hoje?

Tá de pa-ra-béns viu!!!


Beijo.

p.s.: eu li vi viu.

Li said...

Thaisinha, você está tristinha ou revoltadinha ou os dois? quer um abraço? e seu sorrisão de sempre? com a risada alta?

Florrrrrrrrrrrrrrrrr um beijao

Déh said...

adorei o blog! te linkei!

bjo

Thaís SBA said...

Minhas reverências, Tatá!

Um dos seus melhores textos.
Não preciso dizer que concordo com todas as palavras, acho que você já me conhece um pouco para saber o que penso.
Fico muito, muito, muito feliz de ter a sorte dividir o mesmo espaço de idéias com você, de ter tido a oportunidade de "conhecer" uma daquelas pessoas que valem a pena.

E você é uma menina que vale a pena. Ainda há gente no mundo!
É bom encontrá-las. Que bom que te encontrei.

Um beijo imenso!

Flá said...

Meu orkut é a coisa mais estranha do mundo. Até semana passada não tinha fotos. E vivo deletando quem me manda convite só pra se rechear de números. E não digo nada sobre mim.

Adoro essa vidinha anto-social ;)

Beijão!

Marcela ツ said...

Pasando pra dar um oi e agradecer (super atrasada) pela visita no Infinito =]]]

Óoootimo texto! O bom dos blogs é isso, quando a gente se identidfica. E a busca pela felicidade, não devia acabar nunca ;)

Beeeijo

Thais said...

as pessoas são cheias de idéias e conceitos mas nã pratica não fazem nada, é bom ver quem faz, escrevendo esse texto você já está fazendo!! parabéns

Ana M. said...

Enfim um texto que reclama mas nao é um porre!

Beijo linda,
Aninha

Paulo Basile said...

Por isso, faça como eu, em simples regrinhas:
1 - se recuse a aprender a usar o photoshop! No maximo do maximo do maximo use o Paint
2 - se recuse a ser o certinho no trabalho! mande o designer calar a boca e seja quase despedido!
3 - quando criança, se recuse a fazer mil e um cursos desejados pelos pais! quebre o pé varias vezes para provar q vc nasceu desprovido de coordenaçao motora
4 - se recuse a ter q ficar com as meninas bonitinhas e fodonas. vire gay! auhauhaua

adorei o texto tá, e desculpe demorar para comentar, vida de jornalista é complicada rs!!!

Thaty said...

Sim, amor não se segura com imagem!!! AMOR ao próximo e RESPEITO estão faltando no mercado.

Infelizmente.

Otimo texto!

Maldito said...

Ah,...relaxa,...
Em último caso a gente migra pro Second Life,...até porque o meu Avatar é mais bonito que eu,...

rsrs